por Andrea Fraguas

É público e notório que o mundo está em crise. Crise de valores, crises pessoais e também uma crise econômica mundial. E como fica o nosso guarda-roupa em meio a tanta confusão? Na minha opinião, momentos de crise podem ser momentos de mudanças, revisão de valores e muita criatividade. Um dia uma pessoa me disse: em épocas de crise, uns choram, outros vendem lenço.

A primeira coisa é focar naquilo que é realmente importante na vida. Como eu gosto de falar, investir em coisas eternas, que a Terra não come, como amigos, bons relacionamentos, família, autoconhecimento, crescimento espiritual, conhecimento acadêmico e cultural são alguns bons exemplos.

Hoje em dia, ostentação é algo totalmente OUT. Em compensação, educação com o próximo, honestidade e ecologia estão totalmente IN. Mas quer queira, quer não queira, é hora de apertar os cintos. Não é uma questão de privação, mas sim de priorização.

Lembre-se sempre: compra inteligente, te deixa chic e tem durabilidade. Use isso como um mantra, você só tem a ganhar. E como eu coloco isso em prática? Pois é, aí vão algumas dicas:

– Invista nas peças atemporais e básicas, ou seja, é aquela roupa que não está na moda, é a peça que entra ano, sai ano, ela não te deixa na mão, bons exemplos são a calça preta e uma bela camisa branca.

– Invista na qualidade. A roupa de qualidade além de durar muito mais tempo , ela te veste melhor, assim você está sempre arrasando. Existe um cálculo que é feito, onde você divide o valor de uma roupa pelo número de vezes que você a usa, aí você descobrirá que muitas vezes a “roupinha baratinha” que você veste e na primeira lavagem acaba destruída é mais cara que um bom blazer em tom neutro que você usa anos a fio.

– Quebre o preconceito de repetir roupa. Peças de qualidade foram feitas para repetir.

– Outro preconceito a ser quebrado, principalmente no Brasil, é usar roupas de segunda mão, vintage ou roupas de brechó. Encontramos peças de altíssimo nível, de grandes designers por preços vantajosos para seu bolso. Nos EUA o “consigment” é um grande e lucrativo negócio.

– Não compre por impulso. Analise a necessidade daquela peça, Não se esqueça também de se recordar, se aquela nova peça combina com pelo menos 2 ou 3 itens já existentes na sua coleção. Lembre-se também, se você está comprando a roupa porque realmente precisa, ou, você está com “deprê” e só está querendo preencher o seu vazio existencial.

– Conheça a você mesmo. Tenha na sua cabeça qual é seu lifestyle, suas proporções e as melhores cores para o seu corpo. Não se esqueça também seus objetivos. Tudo isso faz você economizar dinheiro e evita comprar uma peça de roupa, que no final das contas, você jamais usará. Se você não tem conhecimento, contrate um profissional, um consultor de imagem ou personal stylist, pois ele te ajudará economizar dinheiro.

– Faça alterações ou customizações em roupas que estão no seu armário. Além de divertido, é uma maneira de renovar, sem gastar.

É isso aí, minha gente, espero que tenham gostado dessas dicas.

A melhor coisa é estar de bem com a vida e também com a conta bancária.

Andrea Fraguas, consultora de imagem e estilo, certificada pelo FIT-NY. Minha missão é ajudar as pessoas a sentirem bem com sua imagem pessoal.